Top FM Home

No 112 “não há chamadas sem resposta”. PSP desmente situação de caos na linha de emergência

No 112 “não há chamadas sem resposta”. PSP desmente situação de caos na linha de emergência

A PSP, entidade responsável pela gestão operacional do 112, nega que exista uma situação de caos no atendimento das chamadas de emergência e desmente as informações publicadas pelo jornal i esta terça-feira.

Uma notícia do jornal i indica que mais de 170 chamadas para o 112 ficaram sem resposta, no domingo, dia 5, e que há chamadas que ficam 15 a 20 minutos em espera.

A publicação avança ainda que para as madrugadas dos próximos três dias apenas estão escalados três operacionais para o Centro Operacional Sul (COSUL), que serve os distritos de Santarém, Portalegre, Évora, Faro, Beja, Castelo Branco, Leiria, Lisboa e Setúbal.

Numa nota de esclarecimento enviada para as redações ao início da tarde, a Direção Nacional da PSP desmente as informações noticiadas pelo jornal i e adianta que “desconhece a origem dos dados veiculados pelo jornal i, bem como a contextualização e a limitação temporal dos mesmos, pelo que não podem ser objeto de qualquer aferição”.

“Não existe qualquer situação de caos no funcionamento do número de emergência 112, nem no seu atendimento”, afirma a PSP.

Às informações noticiadas pelo i de que “a lista de chamadas em espera chega às três dezenas” e de que há quem espere entre 15 e 20 minutos para ser atendido, a PSP responde que “o tempo médio de resposta a chamadas no domingo, dia 05.08.18, foi de 53 segundos e o maior tempo de espera para atendimento foi de 4,5 minutos”.

As autoridades acrescentam que “no sistema de funcionamento do 112 não há chamadas sem resposta”. No entanto, “existem efetivamente chamadas que são desligadas pelo chamador antes de poderem ser atendidas pelo operador do 112”.

“Os centros operacionais 112, após a identificação da tipologia de emergência e do encaminhamento da informação para as entidades, não são responsáveis pelo acionamento de meios”, esclarece a PSP. A responsabilidade pela definição de prioridades e do tipo e tempo de resposta “reside na autonomia técnica e tática da entidade competente para a prestação do socorro”.

Segundo o i, nas escalas a que a publicação teve acesso, “amanhã, quinta e sexta feira, nos turnos das 00h às 8h só haverá três elementos a atender as chamadas dos nove distritos do Sul do país”.

Sobre esta matéria, as autoridades esclarecem que, “para as próximas 4.ª, 5.ª e 6.ª feira (8, 9 e 10 de agosto), estão escalados 5 operadores para o turno 00h00 – 08h00 e não apenas 3”.

Todavia, a PSP assume que o “número de operadores inicialmente previsto” não está “ainda completo”, mas acredita que “a gestão dos mesmos, face ao volume de chamadas normalmente verificadas em cada turno, tem sido adequada”.

De acordo com o comunicado, estão previstos “novos processos de recrutamento a curto prazo”, tendo o COSUL já sido “reforçado com três operadores da GNR e da PSP”.

Outro dos temas apontado pelo jornal refere-se aos “atrasos no pagamento do suplemento mensal [do INEM]”, respondendo a PSP que este suplemento é processado com um deferimento de um mês, “após a respetiva transferência” do INEM, “devendo ser processados a curto prazo os suplementos relativos aos meses de junho e julho”.

NOTICIA: SAPO24

7 Agosto 2018 Noticias

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Outras Notícias

Facebook